Enviar por e-mail





Com duas refeições diárias, alunos sobrevivem da ajuda de empresários e de doações feitas por voluntários

Os cerca de 70 internos da Casa do Estudante de Mossoró estão passando necessidade de alimentação. A comida lá é regrada desde que o Governo do Estado cortou o repasse de alimentos para abastecer a unidade estudantil. 

_ O corte se arrasta de3sde o início do atual governo estadual. Já fomos a Natal reivindicar o fornecimento de alimentos à Casa, mas sem sucesso_, conta o presidente da instituição, José Waldemar Filho.

O governo chegou oferecer quentinhas do Restaurante Popular para os estudantes, mas impôs como condição, a incorporação do terreno da instituição ao Patrimônio do Estado, inviabilizando o diálogo.

_Ora, o terreno sequer pertence à Casa do Estudante. É uma cessão da Diocese de Mossoró para que abrigar a instituição. Então, não poderíamos doar o que não nos pertence_ justifica Waldemar Filho.

Sem a ajuda do Governo do Estado, a alimentação da Casa do Estudante é mantida com a ajuda de empresários e voluntários. Mesmo assim, são servidas apenas duas refeições ao dia. “Café da manhã e o almoço. 

_A janta, os estudantes se viram como pode_, relata Waldemar Filho.
" />